Sobre a grandeza dos avós

Sobre a grandeza dos avós

Pesquisas mostram o que torna os avós tão especiais

Como muitos dos meus amigos, eu fui para a faculdade fora do meu Estado de origem e fiquei fora por um tempo depois de me formar.

Vários anos atrás, consegui um emprego perto dos meus pais que vivem a cerca de 45 minutos de distância.

Eu me considerava com bastante sorte por conseguir um emprego onde eu poderia viver tão perto de onde cresci, mas eu não sabia o quão sortuda eu era até que eu tive filhos.

Quando meu primeiro filho nasceu, há três anos, meus pais adotaram plenamente seus novos papéis de avós da maneira mais proveitosa possível.

Eles participam do cuidado semanalmente, eles trocam as fraldas com cocô (pelo menos avó faz), eles ficam no chão para brincar com os netos, eles brincam de esconde-esconde, e eles não têm medo de ficar na sujeira.

Eles fazem tudo isso, independentemente do fato de já terem feito isso como pais (e fazem questão de me lembrar disso o máximo possível).

Seu apoio não é apenas útil para mim como mãe, mas também é benéfico para meus filhos, que amam seus avós.

Eu posso deixar as crianças com meus pais sem estresse e preocupações, sabendo que eles entendem completamente as necessidades de meus filhos, e sabendo que meus filhos estão mais do que felizes por eu deixá-los com seus companheiros favoritos.

Embora nem todos os avós sejam parecidos, a pesquisa apoia a ideia de que manter um relacionamento próximo entre os avós e seus netos é bom para todos os envolvidos.

Na verdade, os netos adultos que têm uma relação próxima com os avós são menos propensos a ter sintomas de depressão do que os adultos que não têm esse tipo de relacionamento (Moorman & Stokes, 2014).

Isto também é verdade para os avós, que também são menos propensos a ter sintomas depressivos se tiverem relacionamentos próximos com seus netos.

De fato, pesquisas sugerem que fornecer algum tipo de cuidado para um neto – cuidá-los nos finais de semana, por exemplo – está relacionado à maior expectativa de vida do avô quando comparado aos avós que não cuidam de seus netos pequenos ou adultos (Hilbrand, Coall, Gerstorf, & Hertwig, 2017).

Hipótese da Avó e Alloparenting

imagem por sasint/pixabay

Antropólogos e psicólogos evolucionistas até sugeriram que os avós – e as avós especificamente – têm desempenhado um papel importante na sobrevivência humana ao longo da evolução.

A “Hipótese da Avó” propõe que a ajuda da avó levaria a maiores recursos para a criança, uma maior taxa de sobrevivência e, em última análise, maior expectativa de vida para os seres humanos em geral.

Na mesma linha, vários pesquisadores sugeriram que a forma mais vantajosa de criar filhos é envolvê-los com um sistema de cuidadores (como os avós) que fornecem amor e apoio às crianças (e à mãe).

Esse tipo de sistema é chamado de alloparenting (em inglês), e envolve situações em que várias pessoas estão relacionadas no cuidado de uma criança além dos pais biológicos da criança (Hrdy, 2011).

A ideia, semelhante à “Hipótese da Avó”, é que quanto mais crianças e mães recebem apoio – particularmente de pessoas como avós que já têm experiência em criar os filhos -, melhor as crianças se sairão.

De fato, pesquisas sugerem que quanto maior o número de relacionamentos próximos e cuidadosos que se tem, melhor será a saúde e o bem-estar da pessoa ao longo da vida (por exemplo, Feeney & Collins, 2014).

Claro, é bastante intuitivo que uma mão amiga de um avô possa ser benéfica para a vida cotidiana de seus netos.

O que não é tão intuitivo é o papel duradouro e potencialmente vital que os avós podem ter desempenhado na criação de crianças ao longo da história humana.

E estamos falando apenas de avós que ajudam a criar seus netos.

Não podemos nos esquecer que há cerca de 2,9 milhões de avós, apenas nos EUA – chamados avós de custódia -, que criam seus netos por conta própria, muitas vezes à custa de sua própria saúde e bem-estar (Hayslip & Kaminski, 2005).

Então, aparentemente, temos muito a agradecer aos avós, o que eu tenho certeza que eles ficarão felizes em nos lembrar nos próximos anos.


Esse post foi escrito originalmente por Vanessa LoBue, Ph.D. e professora associada de psicologia na Rutgers University-Newark, especializada em desenvolvimento infantil, além de ser diretora do Child Study Center (Centro de Estudos da Criança) em Nova Jersey, nos Estados Unidos. Ela também é mãe. Você pode segui-la no Twitter, ou confira mais posts no seu site: The Baby Scientist.

O texto foi e postado no site Psychology Today, em novembro de 2018.

O conteúdo foi traduzido e adaptado pelo Blog 50+ SAÚDE com objetivo de clareza.