Escolaridade mitiga efeitos de lesões cerebrais na terceira idade

Escolaridade mitiga efeitos de lesões cerebrais na terceira idade

Um estudo liderado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) demonstrou que a educação está relacionada a melhores habilidades cognitivas e é um fator de proteção para diminuir sinais de demência na terceira idade.

Publicado pela revista científica Alzheimer’s & Dementia, o artigo ressalta a importância da escolaridade para mitigar os efeitos das lesões cerebrais na diminuição de habilidades cognitivas, como memória, atenção, função executiva e linguagem.

Os participantes do estudo que tinham alguma escolaridade apresentaram, na média, pontuações mais baixas na escala utilizada na pesquisa que mediu o comprometimento cognitivo, na comparação com quem não tinha educação formal.

Os resultados apontaram que aqueles com escolaridade apresentaram menor grau de deterioração das funções neurológicas e menos sinais de demência. Com isso, os pesquisadores associaram a escolaridade a uma maior reserva cognitiva.

O estudo observou 1.023 pessoas diferenciados entre aqueles sem educação formal, com 1 a 4 anos de escolaridade, e com 5 anos ou mais anos de escolaridade. Além disso, o trabalho analisou a ocupação profissional delas, definida como o trabalho que eles mais realizaram durante a vida e classificada entre qualificada (por exemplo, médico, professor, gerente), semiqualificada (lojista, motorista, segurança) e não qualificada (trabalhador agrícola, empregada doméstica, jardineiro).

No entanto, apesar de existir na literatura trabalhos mostrando que o tipo de ocupação poderia diminuir o risco de demência, tal resultado não foi observado no estudo da FMUSP. Segundo a professora Claudia Suemoto, primeira autora do estudo, somente a escolaridade, que as pessoas geralmente adquirem na primeira infância e na adolescência, parece diminuir esse risco.

Por Camila Boehm – Repórter da Agência Brasil – São Paulo 

FONTE: Agência Brasil